GOVERNANÇA CORPORATIVA

Governança e transparência

Em 2016, a Odebrecht S.A. avançou de forma significativa em seu Sistema de Governança. Os avanços ocorreram em três frentes – estruturais, de Governança e de Conformidade – e compreenderam as seguintes iniciativas principais:

O engenheiro Diego Bellini, no Parque da Cidade, projeto da Odebrecht Realizações Imobiliárias em São Paulo

20%

de conselheiros independentes

PROJETO OTIMIZAÇÃO – Teve como objetivo a revisão do papel da holding Odebrecht S.A., para estabelecer novo modelo de gestão e relacionamento com as empresas que compõem o portfólio de Negócios.

NOVA ESTRUTURA DE GESTÃO – Foi definida uma reestruturação organizacional em que as 14 áreas de Negócios existentes no fim de 2015 passassem a dez. Foram ainda vendidos algumas empresas e ativos, que incluíram os da Odebrecht Ambiental no Brasil. Além disso, das cinco empresas auxiliares, foram mantidas duas: Odebrecht Corretora de Seguros e Odebrecht Previdência.

NOVOS LÍDERES – Seis novos Líderes de Negócio (LNs) assumiram a condução das empresas Braskem, Odebrecht Engenharia & Construção – Infraestrutura, Odebrecht Realizações Imobiliárias, Odebrecht Latinvest e Odebrecht TransPort. Na Foz, que manteve os ativos da Odebrecht Ambiental fora do Brasil, a indicação do LN será realizada em 2017.

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA ODEBRECHT S.A. - era integrado em 2016 por nove membros, sendo três conselheiros independentes e um executivo (o Diretor-Presidente da Odebrecht S.A.). O Conselho elege o Diretor-Presidente (DP) da Odebrecht S.A. que, então, escolhe sua Diretoria composta de cinco Responsáveis por Apoio Funcional (RAF) nas áreas de Finanças, Jurídica e de Governança, de Planejamento e Pessoas, de Investimentos, e de Comunicação e Sustentabilidade, além de dois assessores especiais.

PRESIDÊNCIA DOS CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO – Foi fortalecida como principal instância de decisão dos Negócios. A presidência dos Conselhos deixou de ser prerrogativa do Diretor-Presidente da Holding, e essa função passou a ser exercida também por mais três executivos definidos pelo Diretor-Presidente. Nesse modelo de governança, o Conselho de Administração de cada Negócio direciona estrategicamente a atuação empresarial e o Líder de Negócio (LN) desempenha as funções executivas.

CONSELHEIROS INDEPENDENTES – Em 2016 foi definida a participação de, pelo menos, 20% de conselheiros independentes, não menos que dois conselheiros, em todos os conselhos de administração de empresas do Grupo Odebrecht.

GLOBAL ADVISORY COUNCIL – Concebido em 2016, o Global Advisory Council começa a atuar formalmente em 2017, com a missão de avaliar tendências e orientar a Odebrecht S.A. na adoção de sistemas e das melhores práticas de governança diferenciadas para a condução de seus Negócios.

 

PAPEL DA HOLDING

A Odebrecht S.A. teve o seu papel de holding redefinido para assegurar uma estrutura que crie valor e reflita a cultura e a governança do Grupo, mantendo a independência e a sustentabilidade de cada um dos Negócios.

 

Arquiteta estratégica


A Odebrecht S.A. é uma holding que atua como arquiteta estratégica e direciona os Negócios, por meio da governança e de políticas, para atender às expectativas das partes interessadas. Tem a responsabilidade de alinhar, em torno da cultura organizacional, os elementos (estratégia, macroestrutura e pessoas) que permitirão que o Grupo alcance os objetivos desejados.